Filipe Saraiva's blog

Tecnologia, sociedade e política.

Mês do Contribuidor KDE: …para o Akademy

without comments

Nas últimas semanas tive um intenso “mês do contribuidor KDE” que começou com o LaKademy, a conferência latinoamericana, e terminou com o Akademy, a conferência mundial. Foi um mês um tanto cansativo, de muito trabalho, mas que também foi repleto de boas histórias, grandes reencontros, novos contatos, descobertas e, por que não dizer, divertido.

No artigo anterior falei sobre o LaKademy, e agora comentarei o que rolou no Akademy.

O LaKademy havia terminado apenas um dia antes e lá estava eu, novamente pegando ônibus à São Paulo e me preparando para uma viagem que levaria por volta de 35 horas até Brno, contando com uma escala inusitada em Dubai e um ônibus de Praga, a capital da República Checa, até a cidade do evento.

Chegando à Brno chamou-me atenção a bela arquitetura de cidade antiga do leste europeu, algo exótico para nós brasileiros. Durante o evento pude vez ou outra me aventurar pela cidade, principalmente em algumas noites para jantar e no Day Trip, e consegui apreciar com calma os detalhes de vários prédios, museus, o castelo, e a catedral da cidade.

Esse Akademy foi o segundo que participei, se contarmos o Desktop Summit em 2011. Dessa vez estava como membro do KDE e.V., a organização que gerencia a parte burocrática/política do KDE, portanto minha primeira atividade foi participar da assembleia geral.

Me encantou a maneira como dezenas de contribuidores de diferentes lugares do mundo e linhas de atuação estavam ali, discutindo o futuro do KDE, planejando passos importantes para o projeto, verificando as contas da entidade, enfim, fazendo um trabalho típico de qualquer associação. Achei também impressionante a longa salva de palmas que Cornelius Schumacher, integrante do Board do KDE e.V. desde 2002 e ex-presidente da associação, recebeu dos presentes, uma maneira de demonstrar gratidão por todo o trabalho que ele realizou nesses mais de 10 anos na direção da entidade.

Para finalizar o dia teve uma recepção aos participantes na Red Hat, que me impressionou pelo tamanho da empresa na cidade (três grandes prédios). Lá pudemos tomar cervejas do país e distribuímos um pouco da cachaça brasileira. =)

IMG_20140905_193708

O dia seguinte iniciou a fase das palestras, das quais destaco o keynote do Sascha (que acredito ter sido convidado para o Akademy após o Kevin Ottens ter assistido a palestra dele aqui no Brasil durante o FISL desse ano), e a palestra sobre o GCompris, um software que admiro bastante pela pegada direcionada às crianças. Infelizmente, uma das palestras que queria ter assistido não ocorreu, que foi a Cofunding KDE aplications. Em seguida tivemos o David Faure falando sobre ports para o KF5, e mais para o fim do dia uma apresentação dos grupos do KDE da Índia e Taiwan.

No segundo dia de palestras teve o curioso keynote do Cornelius que apresentou um pouco da história do KDE a partir de imagens de antigos contribuidores do projeto. Os destaques desse dia também foram as apresentações do pessoal do VDG, o grupo que está fazendo um belo trabalho de design no Plasma 5 e agora estão estendendo o alcance do ponteiro dos seus mouses para as próprias aplicações do KDE.

Outra apresentação interessante foi sobre Next Generaion of Desktop Applications, do Alex Fiestas, onde ele argumentou que os softwares da nova geração precisam combinar informações provenientes de diferentes serviços da internet, de forma a prover ao usuário uma experiência única. Ele usou alguns exemplos de aplicações desse tipo, e estou muito curioso para experimentar o Jungle, player de vídeo que terá essas características.

Finalizando este dia tivemos a palestra do Paul Adams, muito instigante, mostrando que após investigação no repositório do KDE podemos perceber que o grau de contribuição entre os desenvolvedores diminuiu com a passagem do SVN para o GIT, que o número de commits caiu, etc. Paul tem interessantes trabalhos nessa área, mas de minha parte acho que se faz necessário outros aportes para explicar isso, inclusive para entendermos se isso é algo necessariamente ruim. Talvez hoje estejamos mais especializados do que antes? Talvez a baixa dos commits seja apenas resultado da estabilização da base de código durante esse tempo? Algo que ainda não concluímos no KDE é entendermos que passamos de um grande projeto unificado (inclusive a nível de repositório) para uma grande comunidade de subprojetos (hoje nós somos meio como a Apache). Nesse cenário, cabe fazermos comparações com o que somos hoje com o que fomos ontem, baseado apenas nos nossos repositórios? De qualquer forma, é um bom ponto para refletirmos.

Já na fase dos BoFs, participei nas primeiras duas partes do voltado à documentação de software – um trabalho importante e necessário, e que todos nós desenvolvedores poderíamos dar um pouco mais de atenção -; FOSS em Taiwan e KDE Edu na India. Infelizmente não pude comparecer ao de empacotadores (bem, eu faço empacotamento no Mageia), porque chocou com o de Taiwan. Fica para a próxima. =)

No geral gosto de ver as experiências dos grupos de usuários/desenvolvedores em outros países; a parte gerencial dessas atividades me atrai, principalmente porque podemos aplicar uma ou outra no Brasil. Saí desse Akademy com o desejo de preparar algo sobre a América Latina para o próximo evento. Acredito que temos muito a compartilhar com a comunidade sobre o que andamos fazendo por aqui, nossos erros e acertos, e qual a contribuição dos latinoamericanos para o projeto.

Finalmente, nos demais dias continuei trabalhando no port do Cantor para KF5 ou estava conversando com diferentes colaboradores do projeto pelos corredores da universidade.

Para mim é muito importante participar do Akademy pois nele eu consigo visualizar a extensão do software livre e seus contribuidores, e como essa cultura da colaboração reúne gente tão diferente em prol do desenvolvimento e evolução de programas de computador livres. Portanto, gostaria imensamente de agredecer ao KDE e.V. pela oportunidade e dizer que me sinto muito bem em fazer parte dessa grande comunidade que é o KDE. =)

E o melhor de tudo é rever o pessoal e conhecer novas pessoas. A hora em que aquele endereço de e-mail ganha contornos de face humana é um momento muito especial para nós que trabalhamos “tão próximos e tão distantes”, para usar esse chavão bastante verdadeiro. Portanto, foi muito bom estar com todos vocês pessoas!

Foto da comunidade KDE no Akademy 2014 – aqui em tamanho gigante

E fica meu desejo de bom trabalho ao novo Board do KDE e.V.!

Quem tiver interesse, boa parte das palestras está com vídeo e slides neste link.

Leave a Reply