Filipe Saraiva's blog

Tecnologia, sociedade e política.

Meu LaKademy 2016

without comments

Foto em grupo LaKademy 2016

No final de maio, por volta de 20 gearheads de diferentes países da América Latina estiveram juntos no Rio de Janeiro, trabalhando em diferentes frentes do KDE. Este é o nosso “sprint de multiprojetos” chamado LaKademy!

A exemplo das edições anteriores do LaKademy, neste ano trabalhei pesado no Cantor; e ao contrário de edições anteriores, desta vez fiz algum trabalho em projetos que pretendo lançar em algum momento no futuro. Portanto, vamos ver meu relatório sobre o LaKademy 2016.

Cantor

LaKademy é muito importante na história do desenvolvimento do Cantor porque foram durante estes sprints que pude me focar e realizar importantes trabalhos de desenvolvimento que resultaram em novas funcionalidades para o software. Nas edições anteriores eu dei início ao desenvolvimento do backend para Python 2, portei o Cantor para Qt5/KF5, eliminei a kdelibs4support, e mais.

Este ano foi o primeiro LaKademy após receber o status de mantenedor di Cantor e, mais fantástico ainda, esta foi a primeira edição onde não fui o único a trabalhar no Cantor: tivemos um verdadeiro time trabalhando em diferentes partes do software.

Meu principal trabalho foi realizar uma pesada triagem nos bugs, fechando alguns antigos e confirmando outros tantos. Nessa tarefa pude corrigir alguns, como a renderização LaTeX e o crash após fechar a janela quando utilizando o backend do Sage, ou a correção dos comandos de plot para o backend do Octave.

Meu segundo trabalho foi auxiliar os outros desenvolvedores que estavam trabalhando no Cantor, algo que me deixou muito feliz e satisfeito. Ajudei o Fernando Telles, meu aluno do SoK 2015, para corrigir o backend do Sage para que ele pudesse suportar versões maiores que a 7.2. Wagner Reck trabalhou em um possível novo backend para Root, o framework para programação científica desenvolvido pelo CERN. Rafael Gomes criou uma imagem Docker do Cantor para tornar mais fácil a configuração do ambiente, compilação e contribuição de novos desenvolvedores. Ele quer utilizar isto em outros software do KDE, e fiquei muito feliz pelo Cantor ser o primeiro software a participar deste experimento.

Outro trabalho relevante foram algumas discussões com demais desenvolvedores para definirmos uma tecnologia “oficial” para criação de backends no Cantor. Atualmente, o Cantor tem 10 backends, desenvolvidos de diferentes formas: alguns deles utilizam APIs C/C++, outros usam Q/KProcess, alguns usam protocolo DBus… você pode imaginar o quão maluco é manter todos esses backends ao mesmo tempo.

Ainda não selecionei uma tecnologia para isso. Ambos DBus e Q/KProcess tem suas vantagens e desvantagens (DBus é uma solução mais “elegante” mas por outro lado torna Cantor muito difícil de ser levado para outras plataformas, algo que seria fácil se utilizássemos Q/KProcess)… bem, vou esperar o novo backend baseado em DBus para Julia, que será desenvolvido pelo meu aluno do GSoC 2016, após isso tomarei uma decisão sobre o que usar.

Da esquerda para a direita: Ronny, Fernando, Ícaro, e eu 😉

Novos projetos: Sprat e Leibniz (nomes não-oficiais)

Este ano pude trabalhar em alguns novos projetos que pretendo lançar no futuro. Seus nomes provisórios são Sprat e Leibniz.

Sprat é um editor de texto para escrever rascunhos de artigos científicos. Um texto científico segue alguns padrões de sentenças e figuras de linguagens. Pense sobre “Uma abordagem baseada em algoritmos genéticos foi aplicada ao problema do caixeiro viajante”: é fácil identificar o padrão nesse texto. Linguistas vem trabalhando nisso e é possível classificar sentenças baseadas no objetivo de comunicação a ser atingido por aquela sentença. Sprat permitirá ao usuário navegar em um conjunto de sentenças e selecioná-las para criar um rascunho de artigo científico. Eu planejo lançar o Sprat neste ano, portanto esperem por mais notícias logo mais.

Leibniz é Cantor sem planilhas (worksheets). Algumas vezes você quer apenas executar seu método matemático, seu script científico, e outros programas relacionados, sem colocar explicações, vídeos, figuras, e outros mais no termina. No KDE temos fantásticas tecnologias que nos permitem desenvolver uma interface “estilo Matlab” (KonsolePart, KTextEditor, QWidgets, e plugins) para todo tipo de linguagem de programação científica como Octave, Python, Scilab, R… apenas executando esses programas no KonsolePart já temos acesso ao destaque de sintaxe, complementação de código… eu gostaria de ter um software como esse, portanto iniciei esse desenvolvimento. Decidi criar um novo software e não apenas uma nova view pro Cantor porque penso que o código fonte do Leibniz será menor, e mais fácil de manter.

Então, se você se interessou por alguns destes projetos, comente abaixo para que eu fique sabendo e espere pelos próximos meses por mais novidades! 🙂

Trabalhos da comunidade

Durante o LaKademy tivemos nosso encontro de promoção, uma manhã inteira para discutir ações de promoção do KDE na América Latina. O KDE terá um dia de atividades no FISL e nós estamos animados para fazer um monte de festas de comemoração aos 20 anos do KDE nos principais eventos de software livre no Brasil. Também avaliamos e discutimos a continuação de algumas interessantes atividades como o Engrenagem (nossa série de videocasts) e novos projetos como vídeo de demonstrações de aplicações do KDE.

Nessa reunião também decidimos a cidade que sediará o LaKademy 2017: Belo Horizonte! Estamos na expectativa de termos um ano com incríveis atividades do KDE na América Latina para avaliarmos no próximo ano.

Conclusão: “O KDE na América Latina continua lindo

Nesta edição do LaKademy tivemos muito trabalho realizado por nossos dedicados colaboradores nas mais diferentes frentes do KDE, mas também tivemos momentos para ficarmos juntos e consolidar nossa comunidade e amizade. Infelizmente tivemos pouco tempo para conhecer o Rio de Janeiro (esta foi minha primeira vez na cidade), mas fiquei com uma boa impressão da cidade e das pessoas. Espero voltar aqui no futuro, talvez ainda este ano.

A melhor parte de ser um membro de uma comunidade como o KDE é fazer amigos para a vida, pessoas com quem você gosta de compartilhar bebidas e comidas enquanto conversa sobre qualquer coisa. Isso é muito legal para mim e pude encontrar bastante disso no KDE. <3

Valeu KDE e vejo vocês logo mais nos próximos LaKademies!

Leave a Reply