See you at FISL 15!

banner-426x121_B

Soon I am going to one of the biggest events in the world about free software, the International Free Software Forum (FISL)!

As usual this year will be very present in KDE activities – especially the lecture by Kévin Ottens on KDE Frameworks 5, and the KDE community meeting. It will be easy to find me on the KDE booth in the user group area too.

I intent to attend other lectures, for example the metamodeling using Qt with Sandro, the 30-year history of GNU with Aracele, devices for neuroscience studies with Cabelo, and some more - I’m still far from decided “my” FISL schedule.

May 9, 16:00h, I will present a paper on Free Software Workshop about the development of Python backend for Cantor.

The complete schedule of FISL activities has more than 300 lectures, workshops, short courses, and more!

See you there!

Nos vemos no FISL 15!

 

E logo mais tomo o rumo para um dos maiores eventos de software livre do mundo, o Fórum Internacional de Software Livre!

Como de costume esse ano estarei bastante presente nas atividades do KDE – destaque para a palestra do engenheiro de software Kévin Ottens sobre KDE Frameworks 5, e o encontro comunitário do KDE. Vai ser fácil me encontrar no stand que montaremos na área reservada para os grupos de usuários.

Outras palestras que pretendo assistir estão a metamodelagem em Qt com o Sandro, os 30 anos de história do GNU com a Aracele, os dispositivos para estudos de neurociência com o Cabelo, e mais alguns – ainda estou longe de decidir a “minha” programação do FISL.

E dia 9 às 16:00h apresentarei um artigo no Workshop de Software Livre sobre o desenvolvimento do backend para Python no Cantor.

A grade completa de atividades do FISL conta com mais de 300 palestras, oficinas, minicursos, e muito mais!

Nos vemos lá!

Ajude a criar a programação do FISL 15

O Fórum Internacional de Software Livre (FISL) chega à sua 15ª edição e continua sendo referência para a comunidade de software e cultura livre latino-americana.

Você pode tanto participar da programação do FISL quanto ajudar a criá-la. Diversas modalidades de submissão de atividades encontram-se abertas, e você pode clicar nos links abaixo para saber mais informações.

A Chamada de Palestas foi prorrogada até o dia 27 de fevereiro, mesmo já havendo 413 propostas cadastradas! Esta é a forma de submissão de atividade mais convencional onde você descreve um tema sob qual irá palestrar.

A Chamada para Encontros Comunitários é voltada para comunidades de usuários/desenvolvedores que queiram fazer um pequeno encontro no espaço do FISL. O tempo disponibilizado pode ser um pouco maior que o de uma palestra (até 1 hora e 40 minutos de atividade). Submissões até dia 10 de março.

Uma das melhores atrações do FISL com certeza é o espaço dos grupos de usuários. Se você quer ter a sua comunidade por lá fique atento ao prazo e requisitos da Chamada de Grupos de Usuários. As propostas para participação desse espaço vão até dia 10 de março.

A Chamada para o Workshop de Software Livre (WSL) é o lado mais acadêmico do FISL. Aqui, pesquisadores acadêmicos do software livre, cultura livre, e mais, apresentam resultados de suas pesquisas em painéis científicos divididos por temas. Há diversos tipos de submissão de artigos e o deadline vai até dia 8 de março.

Mandem suas atividades e nos encontramos no FISL! ;)

KDE at FISL 13

Some KDE Brazil people at FISL 13

The 13th International Free Software Forum (FISL 13) – in portuguese, Fórum Internacional de Software Livre – happened almost a month ago, but only now I found the time to report the KDE community participation at the event.

FISL 13 is the biggest event related to free software and free culture in Brazil. Certainly, it is one of the biggest events of its kind in the world. Thousands of participants (7709!), hundreds of lectures (584!), community events, workshops, community booths, speeches, and in the corridors have several developers, designers, hackers, and digital culture activists.

The KDE community was present with an interesting programming. We set up a booth that drew much attention and stood out in the area targeting users/developers groups. I am preparing a special blogpost just on our stand. ;)

We had KDE souvenirs like T-shirts, stickers, and pins at our table, with special emphasis on brooches with Brazilian regional representations of Konqi. A banner commemorating the KDE 15th anniversary identified among the other groups. We also had some notebooks with KDE to people observe and experience our software.

But what really drew attention was the Konqi fantasy commissioned by Tomaz. It is huge, and Konqi was very funny, with a charismatic and good-natured face. Wear it is extreme very hard, two people are required to assist the “pilot” to put the armor. Inside is very hot, almost impossible to see, and the moves are complicated to implement. But it is fun to see a huge green dragon dancing and walking the halls.

I could not resist =D

The main Konqi pilot was Tomaz, but many people took turns on the task of giving life to our mascot, like Wagner, me and another couple of people who out of nothing appeared asking if they could be for some time a big, charismatic, and bighead green dragon. = D

@tatianepires is happy because Konqi is at FISL

When he was not walking and dancing around, Konqi was assembled in our booth, sitting in two chairs. Several people took pictures with him, keeping a reminder of KDE. Our stand also became a focal point of children that were looking admired for our dragon. They came out of there with chocolate and blue and white balloons.

We were on the event schedule with an extensive program of lectures and courses, plus “special guests” especially in activities of free software and education groups.

Some of our highlights this area were the lecture and workshop of Sebastian Kügler, or Sebas for friends ;) We are very happy that he has accepted the invitation to come to Brazil to attend the event, and we hope he has enjoyed their stay here. ;)

Sebas, together with Daker, held a workshop on developing applications to multidevice using Plasma KD technology. Two days later, it was time to present the Plasma Active, KDE for tablets, and talk about the platform, such as KDE is considering the future of free software in the mobile computing scenario, and what the future of KDE on these devices.

Sebas’s course. Image by Olga Produções

We had a relax moment where we organized a pre-KDE 4.9 Release Party in a bar at the city (the Penguin’s Bar = D) where we could drink some and relax a bit.

Izabel cracked our photo with OpenSUSE banner!

One last word about the FISL, a girl who had never used Krita was our stand and simply made wonderful drawings with the software. It seemed that she had complete familiarity with the tool! A KDE guy recorded a screencast of her preparing a “D&D version” of Konqi adult. By the way, where is the video? Well, the final design is below:

Well, I can only say that this FISL 13 was very good for KDE Brazil. We give more visibility to the project, we set up a booth really cool, presents an excellent programming to the event and we rely on the presence of our friend Sebas. Again, I would like to thank Sebastian for having accepted our invitation to visit the Brazilian lands. Also thanks to ASL, Paulo Meirelles, and Rodrigo Troian, who did everything necessary to make possible the coming of Sebas. Thanks guys!

We’re trying to create a new kind of relationship with the FISL, and the goal is to have, in all editions of the event, an international speaker invited to present news about KDE project.

We’re awaiting the FISL 14, and hope to see you all there!

Stands de comunidades de software livre: analisando o stand do KDE no FISL 13

O KDE Brasil já tem uma certa tradição em criar stands legais nos eventos em que participa, stands chamativos, com muita coisa para ver e mexer.

Não foi diferente no FISL 13. Considero até certo ponto uma coroação de todo nosso processo de montagem desses espaços nos últimos anos, resultado do esforço colaborativo de todo mundo que passou pelo KDE Brasil e montou um stand pro KDE.

Panorâmica da área das comunidades com o Konqi ao centro. Foto por @brunobuys

Gostaria de apontar alguns elementos que tornam os stands do KDE Brasil legais a partir desse que montamos no FISL 13. Espero que esse texto sirva de auxílio para todas as comunidades que planejam montar seus próprios stands. Também listo algumas falhas que tivemos nesse stand específico, para tentarmos corrigir em instalações futuras.

Pontos Legais

Um cartaz que nos identifique

O banner que estamos usando desde o aniversário de 15 anos do KDE tem um significado interessante para nós – são vários pinos sobre a América Latina, indicando que estamos presentes por aqui.

Também pode ter uma conotação de dominação territorial, lembrando o jogo de tabuleiro War. Mas tenho a impressão que essa interpretação é quebrada (ou, ao menos, amenizada) por termos pinos de cores diferentes juntos, além da frase em destaque “Fazendo história juntos!”.

Souvenirs

Ter lembrancinhas com a marca do KDE no stand é sempre bom. E vende bastante – o que nos faz ter grana para comprar mais souvenirs para o stand do próximo encontro.

Esse ano no FISL tinhámos bottons (incluindo os Konqi regionais), camisetas e adesivos. Também é legal para sortear alguns no fim do evento.

Demonstrações do projeto

É importante ter seu projeto executando em um computador e disponível para quem quiser se aventurar. No FISL a Melissa gravou alguns screencasts de manipulação do plasma e plasmoids, e ficou rodando no netbook dela.

Seria bom ter isso em uma projeção, mas infelizmente não conseguimos no FISL. Comento sobre isso no tópico “O que faltou”.

Pessoas receptivas

Devemos sempre ter o stand abarrotado de pessoas do projeto abertas para conversar e explicar como tudo funciona: seja o projeto em si, algum software específico, a comunidade, e tudo mais.

Decoração

Decore o stand, deixe-o aconchegante e chamativo. Balões nas cores do projeto espalhados pelo chão são uma boa. Se você tiver algo que chama muita atenção e faz as pessoas se aproximarem do stand, como um dragão verde bonachão de 2 metros de altura, use-o!

O que faltou

Televisão/Projeção

Ter o software sendo executado nos computadores do stand é legal, mas seria muito melhor tê-lo em algum projetor para que grupos de pessoas pudessem visualizá-lo. Um data show ou uma televisão são muito bem-vindos para isso.

Infelizmente não tínhamos nada disso no FISL, o que prejudica bastante quando vamos apresentar o KDE principalmente para os novatos – e acreditem, muitos novatos batem no seu stand perguntando “o que é isso aí”, “quem são vocês”, e por aí vai.

Até tentamos, no último momento, alugar uma tv de plasma mas o preço era extremamente proibitivo. 200 reais a diária de uma tv é muito caro. Vamos tentar nos organizar melhor para o próximo FISL – já que no Latinoware, o outro evento de maior porte que o KDE Brasil participa, tvs são fornecidas para os stands de comunidades pela própria organização do evento.

Mídias com o KDE

O KDE é um projeto upstream, e normalmente as pessoas que usam nosso software o utilizam a partir de uma distribuição Linux – ou seja, há uma comunidade que pegou nosso código fonte, compilou, empacotou e distribuiu a sua base de usuários. Isso facilita a vida do usuário final, que não precisa compilar o KDE para usá-lo.

Por outro lado, isso torna um tanto difícil para nós distribuirmos mídias com o KDE em um evento como o FISL. A pergunta seria: “qual distro iremos distribuir para quem for ao stand?”. E a resposta a ela pode suscitar algumas questões complicadas, por exemplo: “o fato do KDE Brasil estar distribuindo mídias da distro X significa que vocês endossam essa distro e não as outras?”. Com se vê, essa decisão pode ser muito polêmica.

Fazendo uma busca no Distrowatch para listar apenas distros que usam KDE, é retornado o resultado de 115 distribuições. Entre elas, a grande maioria utiliza o kernel Linux, mas outras usam BSD e Solaris. Ou seja, além de escolhermos a distro ainda teremos que escolher qual kernel distribuir.

Sem negar as polêmicas que surgiriam daí, penso que atualmente, sem distribuirmos nenhum cd com KDE nos eventos, estamos deixando de lado talvez a principal maneira de divulgarmos o projeto. Afinal, do que adianta alguém chegar no nosso stand, curtir tudo que tem lá, gostar do que viu, mas não levar em mãos um cdzinho pra instalar em seu próprio computador e começar a usar nosso software?

É uma discussão que acho que teremos que realizar no KDE.

Conclusões

O texto procurou listar alguns elementos típicos dos stands do KDE, principalmente na configuração usada no FISL 13, e citou qual a função de cada um. Também discuti algumas coisas que senti falta e que pode ser interessante para nossos futuros stands.

Apesar de ter alguns tópicos direcionados ao KDE e de ser de certa forma um texto rápido, creio que as dicas aqui presentes podem ajudar comunidades a montarem seus stands em eventos desse tipo. Penso que não há nada de novo ou mesmo inovador no que descrevi, mas se você já foi em algum evento de software livre há de concordar que existem vários e vários stands sem nada – e em algumas vezes até só com um carinha imerso em seu notebook, sem se dar ao trabalho nem de receber as pessoas que visitam sua área.

Então é isso pessoal, fiquem a vontade para mandarem seus feedbacks na caixa de comentários logo abaixo.

Desenvolvedor do KDE/EDU fala sobre o projeto no Brasil durante o FISL13

Durante o FISL 13, fui entrevistado pela Rafaela Melo (UFRGS) sobre o projeto KDEedu no Brasil. A matéria original está aqui, mas deixo abaixo, na íntegra, como registro.

Da esquerda para direita: Sandro, Camila, Wagner, Melissa, Filipe e Henrique

Filipe Saraiva, desenvolvedor do KDE há 6 anos e participante do fis13, conta que dentro do projeto KDE existe um subprojeto chamado de KDE/EDU, em que professores, programadores, hackers e demais interessados, desenvolvem softwares utilizando a tecnologia do KDE. De acordo com o desenvolvedor, estão disponíveis diversos softwares e aplicativos criados exclusivamente para o uso educacional.

O desenvolvedor cita o Kgeography que é um módulo voltado para o ensino de geografia, sendo nele possível visualizar bandeiras de determinadas regiões, mapas, capitais e diversos outros recursos, o blinKen, que é um jogo de memória similar ao brinquedo “Genius” da estrela, famoso por ser um excelente módulo para trabalhar a memórias das crianças, o Kig que oferece um plano cartesiano para ser utilizado em desenho geométrico, o KmPlot, software que desenha gráficos a partir de uma equação, e por fim o Kturtle, que ao apresentar de forma didática conceitos de programação, proporciona ao aluno desde muito cedo o contato com as linguagens, podendo assim, nascer futuros desenvolvedores.

Esses e tantos outros softwares, podem ser encontrados na página oficial do projeto: http://edu.kde.org/

Filipe Saraiva comenta que o fisl é um importante espaço de diálogo entre os desenvolvedores e professores interessados no uso dos aplicativos KDE/EDU nas escolas, além de também ser uma oportunidade para a reativação e formação de comunidades para troca de informações, sugestões e feedbacks. Segundo ele, o fortalecimento dessas comunidades são imprescindíveis para se estabelecer diálogos com o Governo, e que estes resultem em formulação e reformulação de políticas públicas de inclusão tecnológica, com objetivos e metas bem definidas, cronogramas de atuação a longo prazo e em um maior e melhor investimento em Software Livre de qualidade.

A comunidade do KDE tem um stand na feira do fisl para demonstrações dos projetos, vendas de alguns KDE souvenirs como camisetas e chaveiros, além da presença do simpático dragão verde Konqi.

Como foi o KDE no FISL 13

Uma pequena parte do KDE Brasil no FISL 13

O FISL 13 aconteceu há quase um mês, mas só agora encontrei um tempo para lhes reportar o que rolou por lá. Esse post é específico sobre a comunidade KDE.

O Fórum Internacional de Software Livre, organizado pela ASL, é um dos maiores eventos relacionados ao software livre e à cultura livre no Brasil. Certamente, é um dos maiores eventos desse tipo no mundo. Milhares de participantes (a edição desse ano contabilizou 7709) se deparam com centenas de palestras (foram 584!), eventos comunitários, oficinas, stands de comunidades, intervenções, e ficam nos corredores trocando ideias com desenvolvedores, designers, hackers, militantes culturais e ativistas das causas digitais.

A comunidade KDE esteve presente com uma interessante programação. Montamos um stand que chamou muita atenção e se destacou na área destinada aos grupos de usuários/desenvolvedores. Inclusive, estou preparando um post especial apenas sobre nosso stand. ;)

Em nossa mesa tínhamos KDE souvenirs como camisetas, adesivos e broches, com especial destaque para os broches com representações regionais brasileiras do Konqi. Um banner comemorativo dos 15 anos do KDE nos identificava em meio aos demais grupos. Tínhamos também alguns notebooks com KDE para que as pessoas observassem ou experimentassem o projeto.

Mas o que de fato chamou muita atenção foi a fantasia do Konqi encomendada pelo Tomaz. Ela é enorme, e o Konqi ficou muito engraçado, com um rosto carismático e bonachão. Vestí-la é uma dificuldade, são necessárias duas pessoas para auxiliar o “piloto” a colocar a armadura. Dentro é muito quente, praticamente impossível de enxergar, e os movimentos são complicados de executar. Mas é diversão garantida ver um dragão verde enorme caminhando e dançando pelos corredores.

Eu não resisti =D

O principal piloto do Konqi foi o próprio Tomaz (dizendo ele, a armadura foi feita sob medida :D ), mas muitas pessoas se revezaram na tarefa de dar vida ao nosso mascote, como o Wagner, eu e mais umas duas pessoas que do nada surgiram perguntando se poderiam ser durante algum tempo um dragão verde grandão e bobalhão. =D

@tatianepires feliz com o Konqi

Quando não estava andando e dançando por aí, Konqi ficava montado em nosso stand, sentado em duas cadeiras. Várias pessoas tiraram fotos com ele, guardando uma lembrança do KDE. Nosso stand também tornou-se um ponto de convergência das crianças do evento, que ficavam olhando pro nosso dragão, admiradas. Elas saíam de lá com bombons e balões azuis e brancos.

Estivemos na grade do evento com uma extensa programação de palestras e mini-cursos, além de “participações especiais”, principalmente nas atividades dos grupos de software livre e educação.

Alguns dos nossos destaques nessa área foram a palestra e a oficina ministradas por Sebastian Kügler, ou Sebas para os íntimos. Ficamos muito felizes por ele ter aceitado o convite de vir ao Brasil participar do evento, e esperamos que ele tenha gostado da sua estada por aqui. ;)

Sebas, junto com Daker, realizou uma oficina sobre desenvolvimento de aplicativos multidispositivos usando o Plasma, a conhecida tecnologia do KDE. Dois dias depois, foi a vez de apresentar o Plasma Active, o KDE para tablets, e falar sobre a plataforma, como o KDE está pensando o futuro do software livre em um cenário de computação ubíqua, e qual o futuro do KDE nesses dispositivos.

Minicurso com Sebas. Foto por Olga Produções

Ainda tivemos um momento descontraído onde fizemos um pré-Release Party do KDE 4.9 num bar da cidade (que tem para nós o significante nome Pinguim =D ) onde pudemos beber umas e descontrair um pouco.

Izabel hackeou nossa foto colocando o banner do OpenSUSE lá atrás. Ela não tem jeito! =D

Uma última notícia sobre o FISL foi o aparecimento de uma moça que nunca havia mexido no Krita e simplesmente mandou muito bem no software. Parecia que ela tinha familiaridade completa com a ferramenta! O pessoal gravou um screencast dela preparando uma “versão D&D” do Konqi adulto, que logo mais deve aparecer nos planets da vida. Mas o desenho final está abaixo:

Bem, só tenho a dizer que esse FISL 13 foi muito bom para nós do KDE Brasil. Conseguimos dar mais visibilidade ao projeto, montamos um stand realmente muito legal, levamos uma excelente programação ao evento e contamos com a presença do nosso amigo Sebas. Mais uma vez, gostaria de agradecê-lo por ter aceito nosso convite e ter vindo às terras brasileiras. E esperamos que possa vir mais vezes por aqui! Também agradeço à ASL, ao Paulo Meirelles e ao Rodrigo Troian, que fizeram todo o necessário para tornar a vinda do Sebas possível. Valeu galera!

Estamos tentando criar um novo tipo de relacionamento com o FISL, e a meta é termos, em todas as edições do evento, um palestrante internacional convidado do KDE para apresentar novidades do projeto.

Então é isso pessoal. Já estamos no aguardo do FISL 14, e esperamos vê-los todos por lá!